TRUXT

Não realizamos distribuição de cotas. Para investir em nossos fundos contate um distribuidor autorizado. O conteúdo deste site não representa aconselhamento de investimento. Os investimentos em fundos não são garantidos pelo administrador ou por qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, pelo Fundo Garantidor de Crédito – FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Os fundos Truxt podem estar autorizados a realizar aplicações em ativos negociados no exterior. Os fundos Truxt podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, sujeitando-se aos riscos daí decorrentes. Os fundos Truxt podem utilizar estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento; tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em significativas perdas patrimoniais para seus cotistas, podendo inclusive acarretar perdas superiores ao capital aplicado e a consequente obrigação do cotista de aportar recursos adicionais para cobrir o prejuízo dos fundos. Não há garantia de que os fundos Truxt terão o tratamento tributário para fundos de longo prazo. Leia o formulário de informações complementares, a lâmina de informações essenciais e o regulamento antes de investir.

O que esses 7 fundos fizeram para não perder dinheiro no caótico mês de maio? – Infomoney, 12 de junho de 2018

Os fundos com estratégias focadas em dólar e no mercado exclusivamente internacional foram excluídos do levantamento, uma vez que o cenário foi menos desafiador com o dólar batendo recordes de alta

Weruska Goeking, 12 jun, 2018 15h22 – Atualizada em 16h10

SÃO PAULO – “Sell in may and go away” é uma frase já tradicional do mercado financeiro ao ponto de se tornar até um tanto folclórica. Ela diz respeito ao período pré-férias de verão nos Estados Unidos. Vale lembrar que uma parcela importante do mercado acionário brasileiro é de estrangeiros. Neste ano, a profecia foi realizada e tanto estrangeiros quanto brasileiros saíram vendendo suas ações na Bolsa brasileira em meio às incertezas políticas e a greve dos caminhoneiros.

O resultado foi a queda de quase 11% do Ibovespa, em seu pior resultado em três anos e meio e os fundos multimercados recuaram 2,20%, segundo o IHFA (Índice de Hedge Funds da Anbima). Mas enquanto uns choram, outros vendem lenço: 7 fundos multimercados conseguiram manter a performance positiva. 

InfoMoney foi atrás das explicações das estratégias vencedoras de cada um deles e você pode conferir tudo no programa “Top Fundos” (no player abaixo) Vale lembrar que fundos com estratégias focadas em dólar e no mercado exclusivamente internacional foram excluídos do levantamento, uma vez que o cenário foi menos desafiador com o dólar batendo recordes de alta. Foi o caso do Geo Empresas Globais, que teve ganhos de 9,28%, com diversificação tanto geográfica pelas empresas quanto cambial. 

Confira os 7 fundos multimercados que conseguiram sobreviver a maio em patamar positivo:

Fundo Retorno absoluto em maio Aplicação inicial mínima Taxa de administração
Gávea Macro 3,06% R$ 50 mil 1,98%
Truxt Macro Advisory 1,40% R$ 20 mil 1,90%
Az Quest Total Return 1,11% R$ 5 mil 2%
Absolute Hedge 0,97% R$ 5 mil 1,90%
Safari 0,94% R$ 25 mil 1,80%
RPS Total Return D30 0,83% R$ 50 mil 2%
SulAmerica Endurance 0,57% R$ 5 mil 1%

 

Gávea Investimentos: O gestor estava comprado em dólar, tomado em juros no Brasil e vendido no Ibovespa.

Truxt Investimentos: José Tovar, CEO da Truxt, conta que a equipe de gestão já observava, desde março, que o incentivo fiscal norte-americano acabaria pressionando a taxa de juros por lá e fortaleceria o dólar. Cenário complicado para os países emergentes, em especial aqueles com fragilidades adicionais, como é o caso do Brasil. As apostas já não eram otimistas desde abril, segundo Tovar.

No mês passado, o fundo estava tomado em juros com vencimento em dois e três anos, apostando na subida de juros curtos americanos. Os gestores também não apostavam que o Banco Central reduziria a Selic, na contramão de boa parte do mercado, uma vez que as moedas emergentes estavam derretendo e outros países emergentes já subiam seus juros. “Acertamos esse movimento. Fomos com opções e tomados no juro para janeiro de 2020 e passamos um tempo comprado em dólares”, explica Tovar.

 

[Continua…]